Artista

Cláudia Sperb é artista plástica, mãe, professora de artes.

Nasceu em Novo Hamburgo- RS, inspirada nas estórias da avó, de que “as flores nascem do arroto das cobras”, Cláudia pesquisou e já realizou muitas exposições com o tema das serpentes, das múltiplas texturas criadas para peles imaginárias de serpentes, na técnica de xilogravura. Fez inúmeras exposições individuais e coletivas com o tema serpentes no Brasil e no exterior.

É formada em artes plásticas pela Feevale-RS, com várias especializações em artes plásticas e história da arte. Atualmente vive em seu atelier-parque de mosaicos em meio à natureza nativa de Morro Reuter, RS. Desenvolve hoje mosaicos coloridos, xilogravuras e outras técnicas.

Obras pelo mundo:

No exterior participou de exposições coletivas: Alemanha, Argentina, Australia, Bélgica, China, Cuba, japão,Egito, Estados Unidos, França, Polônia e Portugal. Possui obras em acervos públicos e privados no Egito, Argentina (Buenos Aires), Índia (Calcutá) e Polônia (Biala).

Prêmios recentes:

  • Prêmio Açorianos de Artes Plásticas do RS- Destaque Gravura/ 2006.
  • Prêmio Exposição, 16o Salão de Artes Plásticas da Câmara Municipal de Porto Alegre- RS.
  • Prêmio Aquisição – Salão de Arte Pará/ 2004.

Artigos: 

  • Cláudia Sperb: Mosaicos entre Musas e Serpentes-Prof. Dr. Marcos Ferreira Santos, USP
  • Dois rápidos momentos que se complementam em um só: poesia e xilogravura – Wilson Cavalcanti
  • Sobre pontes, passagens e peles, ou sobre Cláudia e Hundertwasser – Umbelina Barreto.

Projetos principais:

cobraartistasite

pracabutanta2

Foto: Sérgio Bohrer/2008

  • (2008 – 2009) Criação da Praça Fragmentos e Sentimentos no Instituto Butantã/ São Paulo:Consiste em projeto que reuniu mais de 174 artistas plásticos, crianças e leigos na criaçãode mosaicos temáticos para mais de 200 metros quadrados de uma praça dentro do InstitutoButantã em São Paulo. A temática foi uma homenagem aos ofídios e serpentes, que são

    criados, pesquisados e estudados para a criação de vacinas pelos destacados profissionais do

    instituto.

  • (2007) Oficina de Gravura para Xapuri – Intercâmbio – Rede Nacional Funarte de Artes Visuais/ 2007.
  • (1998) – Projeto 56 Escolas Municipais de Novo Hamburgo (pré a 4. Série – ensino fundamental) receberam da artista duas xilogravuras, material didático do Instituto Butantã. Nas visitas os alunos debateram o tema Serpentes e executaram obras em várias técnicas para contribuir com a feitura de uma cobra gigante.
    Para futuras Exposições Praça 20 – Novo Hamburgo – RS
    Instituto Butantã – SP – Feira Infantil de Arte – Jacareí / SP.
  • (1992) – Projeto com Operários na Indústria de Calçados Azaléia – Parobé – RS
    (exposição individual, debate e execução de monotipias feitas pelos operários na própria fábrica– exposição coletiva dos trabalhos no Museu do Trabalho /RS).
  • (1990) – Projeto com Operários da construção civil – Novo Hamburgo – RS.
    (feituras de Xilogravuras pelos operários, na obra com sobras de madeiras e exposição coletiva dos trabalhos na Casa da Cultura Mário Quintana – Porto Alegre/RS).

Exposições a destacar

(2000, 2004, 2006) Jardim das Serpentes: exposição em Porto Alegre, Pelotas e São Paulo.

Exposição mais famosa da artista, que desenvolve xilogravuras há 19 anos. Claúdia utiliza a xilogravura por ser uma técnica acessível a todos, permite várias reproduções de uma mesma obra. É uma técnica que foi desenvolvida no século IX na China. O tema de serpentes é muito recorrente em sua vida e expressa vários significados.

Arqueologia do Amor

É uma serie de colagens onde a artista coloca imagens de amor feitas nas artes plásticas ao longo da historia da arte, agregando vários objetos pessoais. Formado assim uma nova composição reaproveitando de vários elementos pessoais.

Projetos em Andamento:

  • 5 Xilogravuras para cada Escola Municipal de Porto Alegre:
    Artistas convidados: Amico Herko, Arlete Santarosa, Hélio Fervenza, Wilson Cavalcanti e Cláudia Sperb.
  • Ilustrações de mosaicos para a reedição do Livro do “Guri Daltônico” de Carlos Urbim.